MTE cria Grupo de Trabalho para avaliar contratação de aprendizes em atividades perigosas e/ou insalubres

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO
GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA Nº 1.311, DE 21 DE AGOSTO DE 2014
Institui Grupo de Trabalho para avaliar a
efetividade da Lei n° 10.097 de 2000 que
dispõe sobre a contratação de aprendizes
em setores cujas atividades sejam consideradas perigosas e/ou insalubres.
O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E EMPREGO,
no uso das atribuições que lhe confere o inciso II, do parágrafo único, do art. 87, da Constituição, resolve:
Art. 1º Instituir Grupo de Trabalho – GT com o objetivo de avaliar a efetividade da lei que determina cotas a empregadores e subsidiar o diálogo setorial com foco na inserção social e formação profissional de aprendizes em atividades consideradas insalubres e/ou perigosas.
Art. 2º O GT deverá utilizar como base de referência para a identificação das cotas as informações da Relação Anual de Informações Sociais – RAIS e outros bancos de dados disponíveis no âmbito das Secretarias de Políticas Públicas de Trabalho e Emprego, Secretaria de Inspeção do Trabalho e Secretaria de Relações do Trabalho, observando a estruturação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE/IBGE e a Classificação Brasileira de Ocupações – CBO.
Art. 3º O GT será assim constituído:
I – pelo Ministério do Trabalho e Emprego – MTE:
a) representante do Departamento de Políticas de Juventude da Secretaria de Políticas Públicas de Emprego – DPJ/SPPE que coordenará os trabalhos; representante do Departamento de Fiscalização da Secretaria de Inspeção do Trabalho DEFIT/SIT;
b) representante do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho da Secretaria de Inspeção do Trabalho /SIT;
c) representante da Secretaria de Relações do Trabalho – SRT;
d) representante da Fundação Jorge Duprat de Segurança e Saúde no Trabalho – Fundacentro.
III – pelo Ministério Público do Trabalho – MPT:
a) representante da Coordenadoria Nacional de Combate à Exploração do Trabalho da Criança e do Adolescente – Coordinfância/ MPT.
IV – pelos empregadores das Indústrias Elétricas, Gás, Hidráulicas e Sanitárias, das Empresas de Serviços e Limpeza Ambiental, dos Serviços de Transporte de Cargas e Vigilância e do Setor de Micromedição de Água e Luz.
a) dois representantes de cada um dos segmentos acima citados.
V – pelos empregados das Indústrias Elétricas, Gás, Hidráulicas e Sanitárias, das Empresas de Serviços e Limpeza Ambiental, dos Serviços de Transporte de Cargas e Vigilância e do Setor de Micromedição de Água e Luz.
a)dois representantes de cada um dos segmentos acima citados.
§1º Os representantes de empregados e empregadores de cada segmento, conforme previsto nos incisos IV e V e alíneas “a” serão convidados a participar das reuniões pelo Coordenador do GT, apenas quando houver estrita correspondência entre esse e o debate previsto em pauta para o dia de trabalho.
§2º O MTE poderá convidar representantes de outros órgãos e instituições para participarem das reuniões do GT quando o tema justificar.
Art. 4º A participação no GT será considerada prestação de serviço relevante, não remunerada.
Art. 5º Após a publicação desta Portaria, o GT terá prazo de até sessenta dias úteis para apresentar relatório conclusivo dos trabalhos.
Art. 6º As recomendações do GT serão submetidas à apreciação do Fórum Nacional da Aprendizagem Profissional – FNAP, instituído pela Portaria MTE nº 983, de 26 de novembro de 2008.
Art. 7º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação oficial.
MANOEL DIAS

This entry was posted in Cursos, Educação, Inspeção do Trabalho, Legislação, Política, Saúde, Segurança no Trabalho. Bookmark the permalink.

Leave a Reply