Desaposentadoria

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) aprovou na quarta-feira a desaposentação – ou troca de benefício- que permite que o aposentado que continue trabalhando possa pedir o pagamento de um valor mais vantajoso ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), sem ter que devolver a aposentadoria já recebida. A decisão do tribunal cria jurisprudência vinculante, ou seja, orienta todos os juízes federais e os Tribunais Regionais Federais (TRfs) do País a decidirem da mesma forma até que o Supremo Tribunal Federal (STF), órgão máximo da Justiça brasileira, resolva a questão de forma definitiva e inquestionável.

O assunto vinha sendo julgado de forma individualizada pelo tribunal e todos os processos que tratam sobre o mesmo tema estavam suspensos nos tribunais locais, que aguardavam a palavra final do STJ. Com a mudança, quando o empregado decidir se aposentar pela segunda vez, o valor será utilizado no cálculo de um novo benefício no INSS, que passará a ser mais alto do que a primeira aposentadoria. O STF decidiu ainda que o aposentado não vai precisar devolver o dinheiro que recebeu do INSS pela primeira aposentadoria.

Antes da decisão, o aposentado que continuava trabalhando com carteira assinada precisava voltar a pagar contribuições ao INSS, mas esse valor não era devolvido, nem podia ser somado à primeira aposentadoria.

“Os benefícios previdenciários são direitos patrimoniais disponíveis e, portanto, suscetíveis de desistência pelos seus titulares, dispensando-se a devolução dos valores recebidos da aposentadoria a que o segurado deseja renunciar para a concessão de novo e posterior jubilamento”, resumiu o relator do processo, o ministro Herman Benjamin, do STJ.

De acordo com o STJ, há cerca de 1,75 mil processos parados em todo o País sobre desaposentação. O INSS deverá decorrer da decisão e é contrário à medida, pois alega que ela acarretará R$ 70 bilhões de prejuízos aos cofres públicos em 20 anos, segundo informações do jornal Estado de S.Paulo.

Com informações da Agência Brasil

This entry was posted in Interesse público, Jurisprudencia, Legislação. Bookmark the permalink.

Leave a Reply